Avançar para o conteúdo principal

Porquê um MG. Porquê o MIDGET

Ter decidido que o meu 1º clássico seria um MG, resultou é claro da oportunidade da compra, mas essencialmente dum apelo pelo prestigio que esta marca tem.
Trata-se de facto de uma marca quase centenária, remetendo-nos para tempos em que o espírito pioneiro dos construtores prevalecia.
Cecil kimber, que era Director Geral da Morris Garage, identificou um conjunto de necessidades que não estavam preenchidas com os carros que se construíam à época. 


Teve então o desejo de construir um carro, que tivesse um custo acessível, mas que transmitisse  o gozo da performance ao seu utilizador . Tinha também que ser um carro que se pudesse conduzir durante a semana, mas também poder levá-lo para os "track-days" e ganhar aos Mercedes e Aston Martins bastante mais caros e inacessiveis.


Deitou mãos á obra e em 1923 nasceu o primeiro MG com ADN de corredor. Ficou conhecido pelo "NUMBER ONE" e não é mais do que a combinação do chassis dum Morris-Oxford, com um motor alterado e "vitaminado" dum Hotchkiss. 
Pouco tempo depois, vários MG's ganhavam provas importantes em Inglaterra e, até hoje, esta marca não mais deixou de fazer parte da história do desporto automóvel.
Esta característica desportiva da marca é bem evidente na quantidade de modelos com veia de competição, que nasceram na fábrica de Abingdon. 
Desde o inicio, os MIDGET foram os principais embaixadores da MG nas pistas e pelas suas características, apelavam a um público jovem e com gosto pela vida.
Os "anões" da MG, apesar de não serem luxuosos e terem mecânicas simples e pouco performantes, são muito fiáveis e transmitem a quem os conduz uma sensação de velocidade e dinamismo que é muito apreciada.

Desde o "M" Type, o J2, o P Type (ao lado), os TA, TB, TC, TD e depois os mais recentes MKI, MKII, MKIII e 1500, todos permitem experimentar excelentes sensações de condução, com boa companhia no banco do lado e com os cabelos ao vento.

O J2 é considerado o mais famoso dos MIDGET.
Basta olhar para a foto ao lado, para percebermos porquê!
Esta marca tem uma legião de seguidores por todo o mundo, essencialmente e logicamente no Reino Unido, onde existem clubes de referência Mundial, como sejam o MG Car Club e o MG Owners Club. Em Portugal, dois clubes representam legitimamente e bem esta marca. São eles o MG Clube da Maia e o MG Clube de Portugal.


A compra do meu Midget, satisfaz-me o desejo de ter um clássico diferente do comum, com  história,  com estilo e prestigio, com fácil manutenção e que acima de tudo dá muito gozo de conduzir.
O meu carro é exactamente igual ao da foto ao lado.
O MKII foi produzido entre 1964 e 1966, tem um motor de 1098cc com uma potência de 58 bhp. Pesa 707,6Kg e faz dos 0-100km em 18,3 segundos. Atinge uma (estonteante) velocidade máxima de 149,63Km/h.
É o meu Midget ...

Mensagens populares deste blogue

A sonhar ... com (novos) carros antigos.

Quando o bichinho dos carros antigos nos conquista, pensamos sempre que os que temos não chegam para satisfazer o "vicio". Apesar de me sentir bastante feliz por ter o privilégio de poder usufruir de 2 carros maravilhosos, como são o BMW 1602 e o MG Midget MKII, penso sempre que há outros que também gostaria de ter na garagem. Aqueles que sempre me fascinaram mais, são sem duvida os da marca BMW. Entre eles, o 3.0 CSI ou o pequeno 700 sport, têm a minha preferência. Mas também o 2002 Tii Touring, ou o relativamente mais recente 635 CSI.
Bom, seria ter um qualquer M na minha garagem. Por outro lado, temos em família a vontade de reconstruír uma VW Pão de forma, para podermos fazer em bom estilo umas valentes voltas por essa Europa fora. Entretanto, vamos tratando de gozar o mais possível os clássicos que temos em casa e manter os olhos bem abertos a uma qualquer oportunidade de compra que por ai apareça.




Restauro - Continuação

Este Midget foi comprado com bastantes peças necessárias à sua reconstrução, mas constatamos que muitas delas se encontravam em muito mau estado, não sendo possível recuperá-las com qualidade e segurança. Desde o inicio, tomei a decisão de elevar ao máximo o nível do restauro. Afinal de contas estou a concretizar um sonho ...

Por esse motivo, começamos cedo a dar enorme importância a todos os aspectos. Nomeadamente o trabalho do chapeiro, a pintura, bem como  elevado rigor na originalidade e  na qualidade de todos os componentes que sejam montados no carro. Dai que tenho optado por adquirir um elevado numero de peças e acessórios que, certamente tem contribuído para o enorme aumento do custo do restauro, mas por outro lado vai-me permitir chegar a um resultado final de grande qualidade.

Neste momento, estamos a iniciar a montagem, com a preparação das suspensões, do deposito do combustível (novo, como deve ser sempre em qualquer bom restauro), bem como a cosmética e arranjo do motor e…

Viseu - Foz Côa

Mais uma excelente organização da Casa do Pessoal do Hospital S. Teotónio e do Grupo Viseense Amigos dos Clássicos, levou uma frota de 77 carros antigos de Viseu a Vila Nova de Foz Côa no passado dia 28 e Junho.

Constatava-se facilmente que a qualidade dos carros presentes era bastante mais elevada do que noutros eventos anteriores.  Foi possível apreciar belos exemplares de marcas tão diferentes como a Rolls-Royce, Lotus, BMW, MG, Ford, Peugeot, Renault, sem faltarem os tipicos carochas, 4L, Minis, etc.
Importou acima de tudo a excelente organização e participantes que por se conhecerem melhor a cada evento que passa, contribuiram para um excelente ambiente de confraternização. Parabéns mais uma vez ao GVAC e à CPHST por nos proporcionarem uma visita tão agradável a concelhos como Celorico da Beira, V. N. Foz Coa, Trancoso e Aguiar da Beira.